top of page
  • Foto do escritorJu Salty

Onze dicas de autoras femininas que inspiram a leitura.

No mês Internacional das Mulheres, convidamos vocês, leitoras e leitores a conhecerem e consumirem escritoras mulheres que arrasam nos livros!



  1. Barulho de Preto - Rap e Cultura Negra Nos Estados Unidos Contemporâneos - Tricia Rose




Considerado um livro fundamental para o estudo do hip- hop, foi um dos primeiros escritos universitários voltados à análise crítica do rap. Tricia Rose é nascida e criada no Harlem e no Bronx ( Nova York - EUA) e escreveu esta obra em 1994. Nomes como Kool Herc, Ice Cube, Queen Latifah , Salt-N-Pepa, Basquiat, Run DMC emergem eu uma perspectiva transdisciplinar da cultura urbana das ultimas décadas e inspira tanto quem busca conhecer a complexibilidade do hip-hop como quem ajudou a construí-lo.


 

2. Contínuo Preta - A Vida de Sueli Carneiro - Bianca Santana




Em quatro décadas de ativismo, Sueli Carneiro colocou a luta anti racista como prioridade e denunciou o pacto de silêncio e negação que sustentava a falácia da democracia racial brasileira. Para dar conta desta trajetória, a jornalista Bianca Santana traça a árvore genealógica de Sueli resgatando sua militância política e pesquisa acadêmica para qualificar uma luta que enegreceu o feminismo no Brasil.


 

3. Um Defeito de Cor - Ana Maria Gonçalves




O segundo livro da escritora mineira Ana Maria Gonçalves, mistura ficção e realidade. Narra a história de Kehinde, uma criança de 8 anos capturada em Benin, trazida ao Brasil como escrava, e que tem sua vida retratada por oito décadas, nas quase 1000 páginas da obra.


 

4. Minha Carne - Diário de Uma Prisão - Preta Ferreira




Nesta obra Preta Ferreira demarca não só posições políticas no campo ideológico, mas também o acumulo de um pais que se funda no racismo e que sempre operou numa lógica de violências e exclusões , onde a prisão, a situação de morar na rua e os tiros contra corpos negros materializam o projeto de desigualdade (Prefácio - Erica Malunguinho).


 

5. O Sol é Para Todos - Happer Lee




Considerado um dos romances norte-americanos mais importantes do século XX, ganhou o Premio Pulitzer em 1961 e deu origem a um filme homônimo, vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado , em 1962. Uma historia atemporal sobre, tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. Harper Lee é nascida no Alabama e nos anos 1950 mudou-se para Nova York, onde escreveu O Sol é Para Todos.




6 - Jinga de Angola - A Rainha Guerreira da África - Linda M. Heywood





Linda M. Heywood conta a fascinante história daquela que foi indiscutivelmente a grande rainha da história africana.

Poderosa e destemida, a rainha Jinga não recuou um centímetro para tentar preservar seu território dos colonizadores portugueses na África. No século XVII, essa figura guerreira e transgressora, cuja inteligência tinha o mesmo grau de ferocidade, desafiou todas as limitações impostas ao seu gênero. À frente de um exército - de mulheres e homens , Jinga travou uma guerra sem piedade contra os invasores que devastava a Africa Central.



 

7 - Cadeia - Relatos Sobre Mulheres - Debora Diniz




Debora Diniz, nos confronta com o sentido da liberdade e, mais ainda, da alteridade em um mundo de exclusão, pela prisão. Exclusão que, no sistema prisional , é marcada pela questão de gênero e por tudo que ela envolve em termos familiares, subjetivos e políticos. (Prefácio Marcia Tiburi).



 

8 - Monja Coen - A Sabedoria da Transformação - Reflexões e Experiências - Monja Coen





Monja Coen reune histórias antigas e contemporâneas, personagens ilustres e anônimos . Com seu estilo característico, leva o leitor a uma viagem pelos primórdios do Budismo e do Zen Budismo. A sabedoria de Transformação procura nos conscientizar da importância de refletir sobre as nossas atitudes do dia a dia, para que, fazendo o nosso melhor, possamos ser a transformação que desejamos ver no mundo.


 

9 - Todo DJ já Sambou - A História do Disc- Jóquei no Brasil - Claudia Assef





Ela tem um pedaço de pick-up tatuado no braço e um coração que é DJ, bate em BPMs, Autoproclamada nerd de carteirinha, daquele tipo que precisa saber todos os detalhes sobre um assunto, a jornalista Claudia Assef traz neste livro a fabulosa história da formação do disc- joquei no Brasil. (Prefácio Bruna Monteiro de Barros)



 

10 . Olhares Negros - Raça e Representação - Bell Hooks




Nos ensaios críticos reunidos em Olhares Negros, Bell Hooks analisa narrativas culturais e discute formas alternativas de observar a negritude, a subjetividade das pessoas negras e a branquitude. Os textos enfatizam o espectador - em especial , o modo como a experiência da negritude e das mulheres negras surge na literatura, na música, na televisão e no cinema. “Os Ensaios Negros se destinam a desafiar, inquietar subverter e ser disruptivos” Bell Hooks



 

11. Diário de Birita - Carolina Maria de Jesus





A dura luta cotidiana de uma família negra, nas primeiras décadas do século passado, narrada do ponto de vista de uma menina inteligente e interessada. O Diário de Birita documenta seus esforços para, ainda criança, garantir a sobrevivência material e manter a dignidade, acima de tudo. A autora, Carolina Maria de Jesus, foi protagonista de um fenômeno editorial no país, nos anos 1960. Seu primeiro livro, Quarto de Despejos, tornou-se best-seller.



Gostou das sugestões? Tem mais pra nos indicar? Escreve aqui pra gente continuar essa biblioteca de mulheres em um próximo post.


129 visualizações0 comentário

Komentarze


bottom of page