top of page
  • Foto do escritorJu Salty

Onze dicas de autoras femininas que inspiram a leitura.

No mês Internacional das Mulheres, convidamos vocês, leitoras e leitores a conhecerem e consumirem escritoras mulheres que arrasam nos livros!



  1. Barulho de Preto - Rap e Cultura Negra Nos Estados Unidos Contemporâneos - Tricia Rose




Considerado um livro fundamental para o estudo do hip- hop, foi um dos primeiros escritos universitários voltados à análise crítica do rap. Tricia Rose é nascida e criada no Harlem e no Bronx ( Nova York - EUA) e escreveu esta obra em 1994. Nomes como Kool Herc, Ice Cube, Queen Latifah , Salt-N-Pepa, Basquiat, Run DMC emergem eu uma perspectiva transdisciplinar da cultura urbana das ultimas décadas e inspira tanto quem busca conhecer a complexibilidade do hip-hop como quem ajudou a construí-lo.


 

2. Contínuo Preta - A Vida de Sueli Carneiro - Bianca Santana




Em quatro décadas de ativismo, Sueli Carneiro colocou a luta anti racista como prioridade e denunciou o pacto de silêncio e negação que sustentava a falácia da democracia racial brasileira. Para dar conta desta trajetória, a jornalista Bianca Santana traça a árvore genealógica de Sueli resgatando sua militância política e pesquisa acadêmica para qualificar uma luta que enegreceu o feminismo no Brasil.


 

3. Um Defeito de Cor - Ana Maria Gonçalves




O segundo livro da escritora mineira Ana Maria Gonçalves, mistura ficção e realidade. Narra a história de Kehinde, uma criança de 8 anos capturada em Benin, trazida ao Brasil como escrava, e que tem sua vida retratada por oito décadas, nas quase 1000 páginas da obra.


 

4. Minha Carne - Diário de Uma Prisão - Preta Ferreira




Nesta obra Preta Ferreira demarca não só posições políticas no campo ideológico, mas também o acumulo de um pais que se funda no racismo e que sempre operou numa lógica de violências e exclusões , onde a prisão, a situação de morar na rua e os tiros contra corpos negros materializam o projeto de desigualdade (Prefácio - Erica Malunguinho).


 

5. O Sol é Para Todos - Happer Lee




Considerado um dos romances norte-americanos mais importantes do século XX, ganhou o Premio Pulitzer em 1961 e deu origem a um filme homônimo, vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado , em 1962. Uma historia atemporal sobre, tolerância, perda da inocência e conceito de justiça. Harper Lee é nascida no Alabama e nos anos 1950 mudou-se para Nova York, onde escreveu O Sol é Para Todos.




6 - Jinga de Angola - A Rainha Guerreira da África - Linda M. Heywood





Linda M. Heywood conta a fascinante história daquela que foi indiscutivelmente a grande rainha da história africana.

Poderosa e destemida, a rainha Jinga não recuou um centímetro para tentar preservar seu território dos colonizadores portugueses na África. No século XVII, essa figura guerreira e transgressora, cuja inteligência tinha o mesmo grau de ferocidade, desafiou todas as limitações impostas ao seu gênero. À frente de um exército - de mulheres e homens , Jinga travou uma guerra sem piedade contra os invasores que devastava a Africa Central.



 

7 - Cadeia - Relatos Sobre Mulheres - Debora Diniz




Debora Diniz, nos confronta com o sentido da liberdade e, mais ainda, da alteridade em um mundo de exclusão, pela prisão. Exclusão que, no sistema prisional , é marcada pela questão de gênero e por tudo que ela envolve em termos familiares, subjetivos e políticos. (Prefácio Marcia Tiburi).



 

8 - Monja Coen - A Sabedoria da Transformação - Reflexões e Experiências - Monja Coen





Monja Coen reune histórias antigas e contemporâneas, personagens ilustres e anônimos . Com seu estilo característico, leva o leitor a uma viagem pelos primórdios do Budismo e do Zen Budismo. A sabedoria de Transformação procura nos conscientizar da importância de refletir sobre as nossas atitudes do dia a dia, para que, fazendo o nosso melhor, possamos ser a transformação que desejamos ver no mundo.


 

9 - Todo DJ já Sambou - A História do Disc- Jóquei no Brasil - Claudia Assef





Ela tem um pedaço de pick-up tatuado no braço e um coração que é DJ, bate em BPMs, Autoproclamada nerd de carteirinha, daquele tipo que precisa saber todos os detalhes sobre um assunto, a jornalista Claudia Assef traz neste livro a fabulosa história da formação do disc- joquei no Brasil. (Prefácio Bruna Monteiro de Barros)



 

10 . Olhares Negros - Raça e Representação - Bell Hooks




Nos ensaios críticos reunidos em Olhares Negros, Bell Hooks analisa narrativas culturais e discute formas alternativas de observar a negritude, a subjetividade das pessoas negras e a branquitude. Os textos enfatizam o espectador - em especial , o modo como a experiência da negritude e das mulheres negras surge na literatura, na música, na televisão e no cinema. “Os Ensaios Negros se destinam a desafiar, inquietar subverter e ser disruptivos” Bell Hooks



 

11. Diário de Birita - Carolina Maria de Jesus





A dura luta cotidiana de uma família negra, nas primeiras décadas do século passado, narrada do ponto de vista de uma menina inteligente e interessada. O Diário de Birita documenta seus esforços para, ainda criança, garantir a sobrevivência material e manter a dignidade, acima de tudo. A autora, Carolina Maria de Jesus, foi protagonista de um fenômeno editorial no país, nos anos 1960. Seu primeiro livro, Quarto de Despejos, tornou-se best-seller.



Gostou das sugestões? Tem mais pra nos indicar? Escreve aqui pra gente continuar essa biblioteca de mulheres em um próximo post.


118 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page